Gestão de Mudança no Projeto De um Novo Produto: O Caso do Fundo Garantidor para Investimentos

Luciano Quinto Lanz, Patricia Amelia Tomei

Resumo


Este artigo analisa sob a perspectiva de gestão de mudanças, a implantação de um fundo de aval administrado pelo BNDES, o Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), que presta garantias complementares para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs). Para esta análise foram utilizados modelos de gestão de mudança e gerenciamento de stakeholders em projetos, modelos de análise de inovação em produtos e serviços financeiros e de sistemas de garantia complementar. A metodologia utilizada foi o estudo de caso único conduzido junto ao gestor do fundo, com análise documental e entrevistas semi-estruturadas. Os resultados da análise indicam que as correções na direção e a adequação do ritmo do projeto de implantação do fundo, em conjunto com a utilização de técnicas de gerenciamento das partes interessadas (stakeholders) e a gestão de mudanças no escopo do projeto, levou a uma maior segurança na implantação do fundo. Este contexto favoreceu a prevenção de diversos riscos ligados à operação e a adequação do produto final, contribuindo para um processo gradual, mas contínuo de adoção da garantia do Fundo pelos agentes financeiros.

DOI:10.5585/gep.v4i2.158


Palavras-chave


Gerenciamento de Projetos; Gestão de Mudança; Gerenciamento de Stakeholders; Inovação

Texto completo:

PDF

Referências


Banutu-Gomez, M. B. & Banutu-Gomez, S. M. T. (2007). Leadership and Organizational Change in a Competitive Environment, Business Renaissance Quarterly; ABI/INFORM Global.

BNDES, (2013). FGI- Fundo Garantidor para investimentos. Rio de Janeiro. Recuperado em 03/07/2013, de .

BNDES, FGPC – Fundo de Aval. (2012) Rio de Janeiro. Recuperado em 10/06/2013, de .

Booz, Allen & Hamilton Inc. (1982) New Products Management for the 1980s, New York, NY: Booz, Allen and Hamilton.

Botelho, Marisa R. A. & Mendonça, Mauricio. (2002). As políticas de Apoio a Geração e Difusão de Tecnologias para as Pequenas e Médias empresas no Brasil. SEP. VII Encontro Nacional de Economia Política. Curitiba/PR. Recuperado em 11/01/2011, de .

Bourne, Lynda. (2009). Stakeholder Relationship Management: a Maturity model for Organisational Implementation. Goer Publishing Ltd, UK.

Cameron, E. C., Story, V. M. & Walsh, K. (2006). Disrupting the Value Chain: Supply Chain Relationships and Networks for Radical Innovation, Proceedings of Academy of Marketing Conference, Middlesex University Business School.

Chieza, Rosa A. & Ambros, Julia O. (2006) A importância do Crédito na visão Schumpeteriana e a experiência gaúcha na busca de alternativas à ampliação do acesso ao crédito para empresas de menor porte. III Encontro de Economia Gaúcha. Porto Alegre. Recuperado em 12/01/2011, de .

Cooper, R. G. (2001), Winning at New Products: Accelerating the Process from Idea to Launch. New York: Perseus Publishing.

Danneels, Erwin & Elko J. Kleinschmidt (2001), Product Innovativeness from the Firm’s Perspective: Its Dimensions and Their Relation with Project Selection and Performance. Journal of Product Innovation Management, 18 (November), 357–73.

Dosi, G. (1982), Technological Paradigms and Technological Trajectories: A Suggested Interpretation of the Determinants and Directions of Technical Change, Research Policy, Vol. 11, No. 3, pp. 147-162.

Facó, Julio F.; Diniz, Eduardo H. & Csillag, João M. (2009). O Processo de Difusão de Inovações em Produtos Bancários, Revista de Ciências da Administração, v. 11 n. 25 p. 177-208.

Garcia, R. & Calantone, R. (2002). A Critical Look at Technological Innovation Typology and Innovativeness Terminology: A Literature Review, The Journal of Product Innovation Management, Vol. 19, No. 2, pp. 110-132.

Gassmann, O. & Enkel, E. (2004). Towards a theory of open innovation: three core process archetypes, Proceedings of the R&D Management Conference, Lisbon, Portugal, Jul. 6-9.

Gatignon, H., Tushman, M. L., Smith, W. & Anderson, P. (2002), A Structural Approach to Assessing Innovation: Construct Development of Innovation Locus, Type, and Characteristics, Management Science, Vol. 48, No. 9, pp. 1103-1122.

Giacomini, Gino, Filho; Goulart, Elias E. & Caprino, Mônica P. (2007). Difusão de inovações: apreciação crítica dos estudos de Rogers. Revista Famecos. Porto Alegre, n. 33.

Hu, Henry T. C. (2012). Too complex to Depict? Innovation, “Pure Information,” and the SEC Disclosure Paradigm. Texas Law Review. Vol. 90.

Humble, J. & Jones, G. (1989), Creating a climate for innovation, Long Range Planning, Vol. 22. No. 4, pp. 46-51.

Igbal, R. (2011). Impact of Organizational Change to Achieve Competitive Edge, European Journal of Business and Management, vol.3, n.4.

Kirsch, C., Chelliah, J. & Parry W. (2011). Drivers of change: a contemporary model. Journal of Business Strategy, 32(2), p. 13-20.

Kotler, Philip. (2000). Administração de Marketing. Prentice Hall. São Paulo.

Lei n. 12.087, de 11 de Novembro de 2009 (2009). Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Lima, Fernando C. (2009). Crédito, Financiamento e Bancos de Desenvolvimento. BNDES.

Lopes, Simone; Lagoa, José. C. S, Jr; Cardoso, Marcelo P. & Piccinini, Maurício S. (2007). Fundos de garantia e acesso ao crédito das micro, pequenas e médias empresas. A experiência do FGPC: sucesso ou fracasso? BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 26, p. 4-23.

Lumpkin, Stephen. (2010). Consumer Protection and Financial Innovation: A Few Basic Propositions. OEGD Journal: Financial Market Trends. Volume 2010 - Issue 1.

Mainardes, Emerson W.; Alves, Helena; Raposo, Mario & Domingues, Maria J. (2010). Categorização por Importância dos Stakeholders das Universidades. RIAE – Revista Ibero-Americana de Estratégia. São Paulo, v. 9, n.3 p 05-40.

Mitchell, R. Agle, B & Wood, D. (1997). Toward a theory of stakeholder identification and salience: defining the principle of who and what really counts. Academy of Management Review, 22 (4) 853-858.

Noro, Greice. (2012) A Gestão de Stakeholders em Gestão de Projetos. Revista de Gestão e Projetos – GeP. São Paulo, v. 3, n 1, p 127-158.

Noro, Greice. (2006). A maturidade em gerenciamento de projetos logísticos: o caso América Latina Logística. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Maria - Centro de Tecnologia - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, 2006.

Organization For Economic Co-Operation And Development. (2005). Oslo Manual: Guidelines for Collecting and Interpreting Innovation Data. (3 ed.) European Comission: OECD. Recuperado em 2 julho 2013, de: .

OECD. (2008). Open Innovation in Global Networks. Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico.

OECD. (2010). Facilitating access to Finance: Discussion Paper on Credit Guarantee Schemes. 2010. Recuperado em 12/03/2012, de < www.oecd.org/daf/psd/45324327.pdf>.

Oswick, C., Grant, D., Marshak, R. J., & Wolfram Cox, J. (2010). Organizational discourse and change: Positions, perspectives, progress, and prospects. Journal or Applied Behavioral Science, 46, 8-15.

Pinto, Marco A. C.; De Paula, Paulo B & Salles, Ana B. T. (2007). A Revitalização do Sistema Público de Fomento como Canal para Acesso Financeiro por MPME. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, V. 14, N. 27, P. 141-162.

Pittaway, L., Robertson, M., Munir, K., Denyer, D. & Neely, A. (2004). Networking and innovation: a systematic review of the evidence, International Journal of Management Reviews, Vol. 5-6, No. 3-4, pp. 137-168.

Project Management Institute. (2013). A guide to the Project management body of knowledge (PMBOK Guide). 5a edição.

Pombo, Pablo G. (2006). Aportes Conceptuales y características para uma clasificación internacional de los sistemas/esquemas de garantía. Tese de Doutorado. Universidade de Córdoba.

Pombo, P & Herrero, A. (2003). Los sistemas de garantia para micro y la pyme em uma economia globalizada. DP Editorial. Sevilla.

Rodrigues, Carlos L., Diniz, Eduardo H. & Ferrer, Florência. (2007). Influência Governamental e Estratégias Institucionais na Difusão de Inovações em Economias Emergentes. RAE, vol. 47, n. 1.

Rogers, E. (2003). Diffusion of Innovations. New York, Wiley.

Salavou, H. and Avlonitis, G. (2008). Product Innovativeness and Performance: A Focus on SMEs, Management Decision, Vol. 46, No. 7, pp. 969-985.

Seidel, V.P. (2007). Concept Shifting and the Radical Product Development Process, Journal of Product Innovation Management, Vol. 24, No. 6, pp. 522-533.

Serviço Brasileiro de Apóio às Micro e Pequenas Empresas. (2011). Taxa de Sobrevivência das Empresas no Brasil. Coleção Estudos e Pesquisas. Brasília: Sebrae.

SEBRAE; Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2012). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2012. 5 ed. Brasília; Sebrae; Dieese.

SEBRAE; Fundação Universitária de Brasília. (2004). Fatores condicionantes e taxa de mortalidade de empresas no Brasil. Brasília: Sebrae e Fundação Universitária de Brasília.

Sethi, Rajesh; Iqbal, Zafar; Sethi, Anju. (2012). Developing New-to-the-Firm Products: The Role of Micropolitical Strategies. Journal of Marketing. Vol. 76 Issue 2, p 99-115. 17p.

Silveira, F, F.; Armellini, F.; Aquino, L. N. D. & Giroletti, D. A. (2012). A Adoção da Inovação aberta dentro da Estratégia de internacionalização de Empresas Multinacionais de Economias Emergentes. Revista de Gestão e Projetos – GeP, São Paulo, v. 3, n. 3, p 251-276.

Shane, S. (2005). Sobre Solo Fértil, Como identificar grandes oportunidades para empreendimentos em alta tecnologia. Bookman, Porto Alegre.

Song, M. and Thieme, J. (2009). The Role of Suppliers in Market Intelligence Cathering for Radical and Incremental Innovation. Journal of Product Innovation Management, Vol. 26, No. 1, pp. 43-57

Story, V., O’Malley, L & Hart, S. (2008). Developing Competences for Radical Innovation: The Role of Interaction, Relationships and Networks. Reflective Marketing in a Material World, Academy of Marketing Annual Conference, Aberdeen Business School, Scotland, July 7th to 10th.

Story, Vicky; Hart, Susan & O'Malley, Lisa. (2009) Relational resources and competences for radical product innovation. Journal of Marketing Management. Vol. 25 Issue 5/6, p461-481. 21p. 1.

Teixeira, Damasio P. (2010). Gerenciamento de Expectativas dos Stakeholders em um Empresa de Serviços. Monografia. FGV, Rio de Janeiro.

Veryzer, R. W. (1998). Discontinuous innovation and the new product development process, Journal of Product Innovation Management, Vol. 15, No. 4, pp. 304-321.

Wood, T., Jr. (2009). Mudança Organizacional. São Paulo. 5ª Edição. Editora: Atlas.

Zica, Roberto M. F. & Martins, Henrique C. (2008). Sistema de garantia de crédito para micro e pequenas empresas no Brasil: proposta de um modelo. RAP — Rio de Janeiro 42(1):181-204.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional