A Viabilidade Financeira no Desenvolvimento de Produtos Ecológicos Valorizados pelos Consumidores

Geysler Rogis Flor Bertolini, Loreni Teresinha Brandalise, Cláudio Antonio Rojo, Álvaro Guilhermo Rojas Lezana

Resumo


Este artigo tem o objetivo de evidenciar se existe viabilidade financeira na fabricação de produtos ecologicamente corretos que são valorizados pelos consumidores. O estudo foi aplicado a 111 consumidores em três supermercados, utilizando como referência um produto de uma indústria de derivados de alho. No desenvolvimento da pesquisa foi utilizado o Modelo de análise de investimentos para fabricação de produtos ecologicamente corretos, desenvolvido por Bertolini, Rojo e Lezana (2012). O resultado da pesquisa evidenciou que os consumidores valorizam a oferta do produto ecológico com característica orgânica, porém, o valor prêmio que os consumidores estão dispostos a pagar pelo produto ecologicamente correto não cobre as despesas operacionais e de matéria-prima necessários. Portanto, a fabricação deste produto é inviável financeiramente.

DOI:10.5585/gep.v4i3.206


Palavras-chave


Produto ecológico; Consumidores; Valor; Viabilidade econômica; Vantagem competitiva

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, L. F.; Possamai, O. (2002). Modelo de gestão ambiental aplicado a hotéis de selva. In: ASSEMBLÉIA DO CONSELHO LATINO-AMERICANO DE ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO, 2002, Porto Alegre. Anais da Assembléia do Conselho Latino-Americano de Escolas de Administração. Porto Alegre: RS.

Abreu, M. C. S.; Figueiredo Junior, H. S.; Varvakis, G. (2002). Modelo de avaliação da estratégia ambiental: os perfis de conduta estratégica. REAd – Edição Especial 30, v. 8, n. 6, nov-dez.

Bertolini, Geysler R. F. (2009). Modelo para identificação do volume de investimentos na fabricação de produtos ecologicamente corretos. Tese de doutorado apresentada ao programa de Pós-graduação em Engenharia da Produção. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis/SC.

Bertolini, G.R. F.; Rojo, C.A.; Lezana, A.G.R. (2012). Modelo de análise de investimentos para fabricação de produtos ecologicamente corretos. Revista Gestão & Produção, São Carlos, v. 19, n. 3, p. 575-588.

Brandalise, L. T. (2008). A percepção do consumidor na análise do ciclo de vida do produto: um modelo de apoio à gestão empresarial. Cascavel: EDUNIOESTE.

Brandalise, Loreni T.; Bertolini, Geysler R. F.; Rojo, Cláudio A.; Lezana, Álvaro G. R. (2009). A percepção e o comportamento ambiental dos universitários em relação ao grau de educação ambiental. Revista Gestão & Produção. V.16, n. 2. São Carlos: abr.-jun. p.286-300.

Churchill, G. A; Peter, J. P. (2000). Marketing: criando valor para o cliente. 2 ed. São Paulo: Saraiva.

Corazza, R. I. (2003). Gestão ambiental e mudança na estrutura organizacional. Revista de Administração de Empre¬sas - RAE-Eletrônica, v. 2, n. 2, p. 1-23, jul-dez.

Donaire, D. (1999). Gestão ambiental na empresa. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Donnelly, K.; Olds, R.; Blechinger, F.; Reynolds, D.; Beckett-Furnell, Z. (2004). ISO 14001: effective management of sustainable design. The Journal of Sustainable Product Design. 4, p.43–54.

Durán, O.; Puglia, V. B. (2007). Scorecard ambiental: monitoração dos custos ambientais através da web. Revista chilena de ingeniería. Vol. 15, n. 3, p. 291-301.

Fontenele, R. E. S.; David, J. R. C. (2004). No cenário internacional. Disponível em: acesso em: 17 nov.

Franco, H. (1999). A contabilidade na era da globalização. São Paulo: Atlas.

Ginsberg, J. M.; Bloom, P. N. (2004). Choosing the right green marketing strategy. MIT Sloan Management Review. v. 48, n. 1, p. 79-85.

Karagozoglu, N.; Lindel, M. (2000). Environmental management: testing the win-win model. Journal of Environmental Planning and Management. v.43, p. 817-829. Nov.

Kiperstok, A.; et al. (2002). Inovação como requisito do desenvolvimento sustentável. REAd – Edição Especial 30, v. 8, n. 6, nov-dez.

Kotler, P. (1998). Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 5.ed. São Paulo: Atlas.

Lavorato, M. L. A. (2003). As vantagens do benchmarking ambiental. Revista Produção on line. v. 4, n. 2, Mai.

Malagutti, C. (1997). Ecologia com design: uma parceria que agrega valor a produtos e à vida. Arc esign. n. 1, p. 68-70.

Manzini, E.; Vezzoli, C. (2002). O Desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. Editora USP: São Paulo.

Medeiros, D. D.; Silva, G. C. S. (2003). Análise do gerenciamento ambiental em empresas do estado de pernambuco. in: Encontro nacional de engenharia de produção, Ouro Preto, MG, 2003, Anais do XXIII ENEGEP. Ouro Preto.

Miles, M. P.; Covin, J. G. (2000). Environmental marketing: a source of reputational, competitive and financial advantage. Journal of Business Ethics. Dourdrecht. Vol.23, pp.299-311, Feb.

Oliveira, D. P. R. (2001). Planejamento estratégico. Conceitos, metodologia e práticas. São Paulo: Atlas, 15. ed.

Ott, E.; Dalmagro, C. (2002). Gestão e contabilidade ambiental. In: ASSEMBLÉIA DO CONSELHO LATINO-AMERICANO DE ESCOLAS DE ADMINISTRAÇÃO, Porto Alegre. Anais da Assembléia do Conselho Latino-Americano de Escolas de Administração. Porto Alegre: EA – Escola de Administração - UFRGS.

Rohrich, S. S.; Cunha, J. C. (2004). A proposição de uma taxonomia para a análise da gestão ambiental no Brasil. Revista de Administração Contemporânea (RAC), v.8, n.4, p.86-95.

Souza, R. S. (2002). Evolução e condicionantes da gestão ambiental nas empresas. REAd – Edição Especial 30, Vol. 8, No. 6, nov-dez.

Souza, R. S. (2002). Evolução e condicionantes da gestão ambiental nas empresas. REAd – Edição Especial 30. Vol. 8, No. 6, nov-dez.

Tachizawa, T. (2002). Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. São Paulo: Atlas.

Wernke, R. (2001). Custos ambientais: uma abordagem teórica com ênfase na obtenção de vantagem competitiva. Revista de Contabilidade do Conselho Regional de São Paulo. São Paulo, ano 5, nº 15, p. 40-49, mar.

Zairi, Z.; Peters, J. (2002). The impact of social responsibility on business performance. Managerial Auditing Journal. vol. 17, n. 4, p. 174- 176.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional