A Importância da Gestão da Tecnologia na Modelagem de Programas para Promoção da Saúde , Prevenção de Riscos e Doenças em Saúde Suplementar.

Sonia Monken, Cesar Augusto Biancolino, Claudio Miraldo, Denis Dall Asta

Resumo


O presente artigo apresenta a implantação de um sistema de “Data Warehouse” na gestão estratégica de projetos de gerenciamento de riscos e promoção da saúde, em uma operadora de saúde, na cidade de São Paulo Divulga a intervenção da Tecnologia da Informação como apoio ao gerenciamento de riscos, na modelagem de programas de promoção de saúde a partir de uma exigência do mercado de saúde e da agencia reguladora. Analisou-se o projeto desenvolvido a partir da formação de um Comitê de Projetos Epidemiológicos, atendendo uma demanda de análise. O trabalho tem como objetivo introduzir solução para este problema enfrentado pelas operadoras de Saúde. E, com isso, pretende responder ao problema de pesquisa: “Qual a importância da gestão de projetos de tecnologia para a modelagem de programas para promoção da saude e prevenção de riscos e doenças em operadora de saúde suplementar”? Como estratégias de pesquisa foram utilizadas a pesquisa bibliográfica e a pesquisa-ação. O projeto permitiu a gestão e a redução de risco no comparativo de 2010 e 2012, na medida em que operadora apresentou no critério de adesão um incremento de 15% aos programas de Promoção de Saúde e Gestão de DCNT. Os indicadores de desempenho preconizados pela ANS que compõem o Indicador de Desempenho de Saúde Suplementar (IDSS), varia de zero a um (0 a 1) e a operadora manteve-se entre 0,785 e 1.

DOI:10.5585/gep.v4i2.190


Palavras-chave


Gestão e Projetos; Mercadologia; Saúde Suplementar; DCNT; Gestão Risco; Sistemas Informação

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Saúde. (2011). Risco assistencial. Retrieved from www.ans.gov/planos-de-saude-e-operadoras/espaco-daoperadora/745-consulta-a-metodoloiga-de-risco-assistencia

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2007). Manual técnico: promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças na saúde suplementar. Retrieved from http://scholar.google.com/scholar?hl=en&btnG=Search&q=intitle:Manual+técnico+para+promoção+da+saúde+e+prevenção+de+riscos+e+doenças+na+saúde+suplementar#0

André-Pierre Contandriopoulos Jean-Louis Denis. (1997). A avaliação na área da saúde : conceitos e métodos. (Z. HARTZ, Ed.) (1a ed., p. 132). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. Retrieved from http://books.scielo.org

ANS. (2011). Cartilha para a Modelagem de Programas para Promoção da Saude e Prevenção de Riscos e Doenças. Agencia Nacional de Saude (ANS). Retrieved October 02, 2013, from http://www.ans.gov.br/operadoras

ANS. (2012). Resolução Normativa - RN No 305, DE 9 DE OUTUBRO DE 2012.

Biancolino, C. A., Riccio, E. L., & Maccari, E. A. (2011). SOA, ERP II e competências organizacionais: traços de inovação na moderna gestão de TI DOI:10.5007/2175-8077.2011v13n30p146. Revista de Ciências da Administração, 13(30), 146–177. doi:10.5007/2175-8077.2011v13n30p146

BRASIL. (1998). LEI No 9.656, DE 3 DE JUNHO DE 1998. D.O.U. de 4.6.1998. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9656.htm

Coriolano, M., Cechin, J., & FenaSaúde. (2011). Saúde Suplementar: Aspectos regulatórios. Fena Saúde, 2–42.

FenaSaúde. (2013). Boletim da Saúde Suplementar ed. 04. Indicadores Assistenciais, Junho, 1–46.

IESS. (2012). Conjuntura Saúde Suplementar. IESS, pp. 1–2. SAO PAULO. Retrieved from http://www.iess.org.br/ConjunturaSS18edjun2012.pdf

INHC. (2011). Health Care Databasemarkering. us Healthcare Database Marketing.

Joaquim, A., & Severino. (2007). Metodologia do Trabalho Científico. (Cortez, Ed.) (23a. ed.). São Paulo.

L. Kay Bartholomew, G. S. P. K. H. G. E. F. (n.d.). Planning Health Promotion Programs: An Intervention Mapping Approach. (Jossey Bass Books, Ed.) (3a. ed.). Hoboken New Jersey: John Wiley & Sons Publishers.

Lakatos, E., & Marconi, M. A. (2001). Fundamentos de metodologia científica (4a. ed.). São Paulo.

Lima, R. D. N., Elviro, M., Junior, D. M., & Martins, J. S. (2012). Desempenho de indicadores nos municípios com alta cobertura da Estratégia Saúde da Família no Estado de São Paulo. revista Brasileira de Medicina da Familia e Comunidade, 7(24), 7–24. doi:10.5712/rbmfc7(24)270

Macdonald, I. (n.d.). Population health management : How to manage high-risk patients FierceHealthcare.

Marcondes, W. B. (2004). A convergência de referências na Promoção da Saúde / The convergence of references in Health Promotion. Saúde e Sociedade, 3(1), 5–13.

Martins, G. de A., & Theophilo, C. R. (2009). Metodologia da Investigação para Ciencias Sociais Aplicadas. (2a. ed., p. 247). SAO PAULO: Editora ATLAS S.A.

Mejhed, H., Boussaa, S., & Mejhed, N. E. H. (2009). Data warehouse and Data mining tools for Epidemic Data analysis to get a better decision-making: The case of leishmaniasis in Morocco. In N. E. Mastorakis, A. Croitoru, V. E. Balas, E. Son, & V. Mladenov (Eds.), Mcbc’09: Proceedings of the 10th Wseas International Conference on Mathematics and Computers in Biology and Chemistry (pp. 68–74). Retrieved from ://WOS:000265406500010

Ministerio da Saude. (2013). Nota Técnica no189/2013/GMOA/ANS. São Paulo.

Nota Técnica n° 189/2013/GMOA/GGRAS/DIPRO/ANS. (2013). Agencia Nacional de Saude (ANS). Retrieved October 17, 2013, from http://www.ans.gov.br/indez.php/planos-de-saude-e-

Ramick, D. C. (2001). Data warehousing in disease management programs. Journal of healthcare information management : JHIM, 15(2), 99–105. Retrieved from http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11452582

Santini, L. A. (1993). Avaliação tecnológica em saúde. Rev bras educ med, 17(2), 20–24.

Santos, R. S., Almeida, A. L. De, Tachinardi, U., & Gutierrez, M. A. (n.d.). Data Warehouse para a Saúde Pública : Estudo de Caso SES-SP.

Sen, A., & Sinha, A. P. (2005). Data Warehousing Methodologies. Communications of the ACM, 48(3), 79–84.

Silva, A. L. Q. et al. (2011). Cartilha para a Modelagem de Programas para Promoção da Saude e Prevenção de Riscos. Brasilia.

Silva, D. (2003). O perfil de um gerente de projetos: as qualidades gerenciais em projetos de tecnologia. Vasa. Universidade de São Paulo - USP. Retrieved from http://www.bv.fapesp.br/pt/dissertacoes-teses/4869/o-perfil-de-um-gerente-de-projetos-as-qualidades-gerenciais-/

Stair, R. M. (1996). Princípios de Sistemas de Informação. (LTC, Ed.) (2a. ed., p. 452). São Paulo: LTC Editora.

Tachinardi, U., Gutierrez, M. A., Moura, L., & Melo, C. P. (1993). Integrating Hospital Information Systems. The challenges and advantages of (re-)starting now. Proceedings / the Annual Symposium on Computer Application [sic] in Medical Care. Symposium on Computer Applications in Medical Care, 84–87.

Villa, S., Barbieri, M., & Lega, F. (2009). Restructuring patient flow logistics around patient care needs: implications and practicalities from three critical cases. Health Care Management Science, 12(2), 155–165. Retrieved from http://www.springerlink.com/index/10.1007/s10729-008-9091-6




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional