Interseção entre a Gestão do Conhecimento e a Cultura Organizacional: Um Estudo sobre a Percepção dos Gerentes de Projetos

Fernando Henrique Souza, Fabricio Ziviani, Flávia Monique Fernandes Goulart

Resumo


A cultura organizacional e a gestão do conhecimento continuam sendo temas relevantes de estudo dentro da teoria das organizações, e na área de gerenciamento de projetos. Eles podem ter uma importante influência na capacidade de um projeto atingir os seus objetivos, na velocidade com que se adaptem às inovações do mercado e no processo decisório. A cultura e o conhecimento são fatores ambientais da empresa que tem papel significante no comportamento das organizações, os gerentes de projetos devem compreender os diferentes tipos de conhecimentos e culturas organizacionais que podem afetar seus projetos. Dentre os 42 processos do gerenciamento de projetos os fatores ambientais da empresa são considerados como entradas em grande parte deles, o que torna a cultura e o conhecimento um dos aspectos que pode gerar impactos nos objetivos planejados. A maioria das organizações tem culturas exclusivas, composta por diversos elementos, e se manifesta de diversas formas dentre valores, normas, crenças e expectativas, políticas, normas e procedimentos, que são vistos como um sistema de significados que são aceitos publica e coletivamente.

Palavras-chave


cultura organizacional, gestão do conhecimento, gerenciamento de projetos

Texto completo:

PDF

Referências


Aktouf, O. (1993). O simbolismo e a cultura de empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas. In: CHANLAT, J.-F. (Org.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. (Vol.1). São Paulo: Atlas.

Alvesson, M. (2006). Cultural perspectives on organizations. Cambridge: Cambridge University Press. In: ESTOL, K. M. F; FERREIRA, M. C. (1993) O processo sucessório e a cultura organizacional em uma empresa familiar brasileira. Revista de Administração Contemporânea, 10(4), 93-110. Recuperado em 02 agosto, 2011 de http://www.anpad.org.br/periodicos/content/frame_base.php?revista=1

Anselmo, J. L. (2009). Gerenciamento de projetos em negócios baseados em projetos: uma proposta integrada das dimensões operacional, organizacional e estratégica. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Disponpivel: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-29012010-160441

Choo, C. W. (2003). A organização do conhecimento: Como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac São Paulo.

Crawford, C.B. (2005). Effects of Transformational Leadership and Organizational Position on Knowledge Management. Journal of Knowledge Management, (Vol. 9, n. 6).

Cronbach, L. J. (1951). Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika.

Davenport, T. H. (1998). Ecologia da Informação. São Paulo: Futura.

Davenport, T. H., & Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Drucker, P. F. (1993). Sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira.

Efron, B., & Tibshirani R. (1993). An Introduction to the Bootstrap. Chapman & Hall.

Feuerschütte, S. G. (1997). Cultura organizacional e dependências de poder: a mudança estrutural em uma organização do ramo de informática. Revista de Administração Contemporânea, 1(2), 73-95. Recuperado em 02 agosto, 2011 de http://www.anpad.org.br/periodicos/content/frame_base.php?revista=1

Fleury, M. T. L. (1990). O desvendar a cultura de uma organização – uma discussão metodológica. In: FLEURY, M. T. L.; FISCHER, R. M. Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas.

Freitas, M. E. (2007). Cultura Organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Thomson.

Gelman, A., & Hill, J. (2007). Data Analysis Using Regression and Multilevel/Hierarchical Models. New York: Cambridge University Press.

Hair, J. F., Willian C. B., Barry, J. B., Rolph E. A., & Ronald L. T. (2009). Análise Multivariada de Dados. Porto alegre: Bookman.

Hofstede, G. (1991). Cultures and organizations: software of the mind. New York: McGraw-Hill.

Kaiser, H. F. (1958). The varimax criterion for analytic rotation in factor analysis. Psychometrika: (pp.187-200).

Marconi, M. A., & Lakatos E. M. (2007). Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Mingoti, S. A. (2005). Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: UFMG.

Morgan, G. (1996). Imagens da organização. São Paulo: Atlas.

Motta, F. C. P., & Vasconcelos, I. F. F. G. (2004). Teoria Geral da Administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Motta, R. P. (1997). Transformação organizacional: a teoria e a prática. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Myrdal, G. (1965). O valor em teoria social. São Paulo: Pioneira.

Nonaka, I., & Takeuchi H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: Como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier.

Pettigrew, A. M. (1979). On Studying Organizational Cultures. Administrative Science Quarterly, 2(4), (pp. 570-581).

Project Management Institute - PMI. (2008). PMBOK: a guide to project management body of knowledge. Newton Square, PA: Project Management Institute.

Project Management Institute - PMI. (2011). TODAY: fevereiro.

Project Management Institute - PMI. (2013). TODAY: agosto.

Rodrigues, S. B. (1991). O chefinho, o telefone e o bode: autoritarismo e mudança cultural no setor de telecomunicações. Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Santos, A. M. (1990). Cultura organizacional e motivação para o poder: um estudo comparativo entre o setor bancário oficial e privado de Belo Horizonte. Dissertação de mestrado Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Siegel, S., & Castellan, J. N. J. (2006) Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Artimed.

Schein, E. H. (1985). Coming to a new awareness of organizational culture. Sloan Management Review. In: FREITAS, M. E. (2007). Cultura Organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Thomson.

Schein,E. H. (1992). Organizational culture and leadership (2nd ed.). San Francisco: Jossey Bass.

Vargas, R. V. (2005). Gerenciamento de Projetos: Estabelecendo diferenciais competitivos. (6 ed).

Vilela, D. C. J., & Mendes, C. C. (2004). O papel do escritório de projetos na disseminação do conhecimento organizacional. XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Recuperado em 08 agosto, 2011 de http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2004_Enegep0504_0529.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional