Identificação de Riscos em Compras do Setor Público: Um Estudo de Caso

Fabio França Santos, Augusta Rodrigues da Silva Pinto, Lydia Moraes Arcoverde Gomes, Rodrigo Lopes Silva, José Henrique de Sousa Damiani

Resumo


No século XXI é comum as organizações atuarem em ambientes dinâmicos onde a execução de suas atividades está associada a riscos muitas vezes difíceis de serem previstos. A identificação desses riscos é desejável, ao passo que é possível economizar esforços e diminuir custos. Nesse sentido, o presente artigo tem o objetivo de analisar uma aquisição do setor público e identificar os riscos no processo. A aquisição selecionada para análise é uma Concorrência Pública, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A metodologia utilizada para identificar os riscos no processo de aquisição foi uma entrevista com os agentes públicos envolvidos no processo e a análise da documentação. Os resultados sugerem que seja dada grande importância para a elaboração do Projeto Básico, elemento inicial, bem como aproximar áreas envolvidas e capacitar os agentes públicos nas matérias inerentes ao processo.

DOI:10.5585/gep.v2i1.31


Palavras-chave


Identificação de Riscos; Compras; Setor Público; INPE; Gestão de Riscos.

Texto completo:

PDF

Referências


Batista, M. A. C. e Maldonado, J. M. S. V. (2008). O papel do comprador no processo de compras em instituições públicas de ciência e tecnologia em saúde (C&T/S). RAP - Revista de Administração Pública, FGV/EBAPE, Rio de Janeiro, 42(4), 681-699.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988, outubro 5). Art. 37, inc. XXI da Constituição Federal de 1988. Brasília. Recuperado em 3 janeiro, 2011, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1993, junho 21). Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Lei de Licitações. Institui normas para licitações e contratos da Administração Pública. Brasília. Recuperado em 6 junho, 2011, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8666cons.htm.

Constituição da República Federativa do Brasil. (2001, janeiro 9). Decreto nº 3.722, de 09 de janeiro de 2001. Regulamenta o art. 34 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dispõe sobre o Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores - SICAF. Brasília. Recuperado em 13 julho, 2011, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2001/d3722.htm.

Constituição da República Federativa do Brasil. (2002, julho 17). Lei nº 10.529, de 17 de julho de 2002. Institui nos termos do Art. 37, inc. XXI da Constituição Federal de 1988, modalidade de licitação denominada pregão. Brasília. Recuperado em 26 fevereiro, 2011, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10520.htm.

Constituição da República Federativa do Brasil. (2005, maio 31). Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005. Regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. Com base no disposto na Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002. Brasília. Recuperado em 30 novembro, 2010, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5450.htm.

Camarini, G.; Chamon, M. A. e Silva, L. C. F., Júnior. (2006). Gerenciamento de risco em projetos de tecnologia da informação. REAd - Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, RS, 12(4), 3.

Chagas, M. F., Junior; Cabral, A. S.; Oliveira, M. E. R. e Bueno, L. A. R. (2006, outubro). Criação de capacitações em integração de sistemas: o caso do programa CBERS. Anais do XXIV Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Gramado, RS., Brasil, 17-20.

Florenzano, T. G. (2008). Os satélites e suas aplicações. Série Especializando. São José dos Campos: SINDCT.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. (2007). Participação da indústria nacional na construção do CBERS-1, 2 e 2B. Recuperado em 8 maio, 2011, de http://www.cbers.inpe.br/?content=participacao1e2e2b.

Kerzner, H. (1998). Project management: a systems approach to planning scheduling and controlling (6a ed.). New York: Van Nostrand Reinhold.

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. (2008, dezembro 4). Portaria nº 897, de 3 de dezembro de 2008. Diário Oficial da União. Presidência da República, Brasília, DF, Brasil.

Monteiro, A. e Nascimento, V. M. (2003, outubro). Gerenciamento de risco em projetos: como transformar riscos em vantagem competitiva. Anais do XXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Ouro Preto, MG, Brasil, 21-24.

Morais, F. E. O. (2007). Organização e implementação da gestão por projetos. Brasília: Universidade Gama Filho.

Oliveira, F. I. (1991). Caminhos para o espaço: 30 anos do INPE. São José dos Campos: INPE.

Project Management Institute. (2004). Um guia do conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos (PMBOK) (3a ed.). Newton Square, PA, USA: Project Management Institute.

Reis, A. F. e Albuquerque, A. R. P. L. (2004, novembro). O estado da arte em gerenciamento de riscos em projetos. Anais do XI Simpósio de Engenharia de Produção - SIMPEP, Bauru, SP, Brasil, 8-10.

Souza, A. A.; Ligo, A. e Moya R. W. (1998). Gerenciamento de risco em projetos de inovação: práticas adotadas em dois centros de pesquisas e uma empresa privada. Anais do XXII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração – EnAnpad. Foz do Iguaçú, PR, Brasil, 27-30.

Valeriano, D. (2007). Moderno gerenciamento de projetos. São Paulo: Pearson Prentice Hall.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional