Cultura Inovadora na Pequena e Média Empresa

Aluisio Broering Mambrini, Seiji Cintho, Erni Dattein Dattein, Jorge Antonio Arias Medina, Emerson Antonio Maccari

Resumo


Nas últimas duas décadas a inovação tem se mostrado um dos principais motores do crescimento econômico. A inovação está intimamente relacionada com criar valor e gerar riquezas por meio do atendimento bem sucedido às necessidades do consumidor. Dessa forma, ela não está necessariamente restrita à utilização de novos conhecimentos obtidos pela pesquisa, mas sim, ao desenvolvimento de novos produtos ou serviços que são obtidos com a utilização criativa de conhecimentos, novos ou já conhecidos. Esse trabalho teve como objetivo identificar as práticas gerenciais que promovem a cultura inovadora em pequenas e médias empresas e analisar como elas contribuem para a capacidade de inovação dessas empresas. O método de pesquisa foi o estudo de casos múltiplos com seis empresas de pequeno e médio porte que possuíam pelo menos um caso de inovação relevante em sua história. Os principais resultados apontam que entre as práticas se destacam: a) atuação em nichos altamente especializados e foco profundo nas necessidades do cliente; b) forte investimento e incorporação de novos conhecimentos fora da empresa (inovação aberta); c) rapidez e agilidade na absorção e implantação de novos conhecimentos e tecnologias; d) retenção de colaboradores; e) atuação como integradora conjugando diversos conhecimentos e tecnologias; f) gestão da informação dos conhecimentos adquiridos pela empresa; g) pouca preocupação em patentear a tecnologia; h) flexibilidade e comunicação informal, fluida e aberta entre os colaboradores da empresa o que promove a agilidade na gestão; e i) a gestão de parcerias em toda a cadeia de valor, incluindo as áreas funcionais.

DOI:10.5585/gep.v2i1.34


Palavras-chave


Inovação; Empreendedorismo; Competitividade; Pequena e Média Empresa.

Texto completo:

PDF

Referências


Albagli, H. L. S. (1999). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus.

Banco Nacional do Desenvolvimento. (2002, setembro 11). BNDES altera classificação de porte de empresas. Recuperado em 20 setembro, 2009, de http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/interna/noticia.php?area=1&noticia=4732.

Barbieri, J. C. (2007). Organizações inovadoras sustentáveis. In J. C. Barbieri, & M. A. Simantob. Uma reflexão sobre o futuro das organizações. São Paulo: Atlas.

Barbieri, J. C. e Álvares, A. C. T. (2003). Inovações nas organizações empresariais. In Barbieri, J. C. (Ed.). Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. Rio de Janeiro: FGV.

Centro de Gestão e Estudos Estratégicos e Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Coordenadores). (2009). Os novos instrumentos de apoio à inovação: uma avaliação inicial. Brasília: CGEE/ANPEI.

Chesbrough, H. (2003). Open Innovation – the new imperative for creating and profiting from technology. Boston, MA, USA: Harward Business School Press.

Christensen, J. F.; Olesen M.; H.; and Kjær J. S. (2005, December). The industrial dynamics of open innovation: evidence from the transformation of consumer electronics. Research Policy, 34(10), 1533-1549.

Cunha, N. C. V. (2005). As práticas gerenciais e suas contribuições para a capacidade de inovação em empresas inovadoras. Tese de doutorado, Administração, Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Drucker, P. F. (1974). A era da descontinuidade. Rio de Janeiro: Zahar.

Drucker, P. F. (1989). As fronteiras da administração. São Paulo: Pioneira.

Fagerberg, J. and Verspagen, B. (2002, December). Technology gaps, innovation diffusion and transformation: an evolutionary interpretation’. Research Policy, 31(8-9), 1291-1304.

Goldsmith, R. (2009, abril 27). Inovação salta de produtos a serviços e modelos de negócios. Jornal Gazeta Mercantil, p. C6.

Hargadon, A. and Sutton, R. (2000, May/June). Building an innovation factory. Harvard Business Review, pp. 157-166.

Hesselbein, F.; Goldsmith, M.; and Somerville, I. (eds.) (2002). Leading for innovation. San Francisco, CA, USA: Jossey Bass.

Knox, S. (2002). The boardroom agenda: developing the innovative organization. Corporate Governance, 2(1), 27-36.

Kupfer, D. (2008, junho 25). Descobrindo a pólvora mais uma vez! Valor Econômico.

Loures, R. (2008, julho 10). Produtividade, competitividade e inovação. Gazeta Mercantil, Caderno A, p. 3.

Manual de Oslo. (1992). Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. (1a ed.). Paris: OCDE – Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento.

Manual de Oslo. (1997). Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. (2a ed.). Paris: OCDE – Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento.

Manual de Oslo. (2005). Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. (3a ed.). Paris: OCDE – Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento.

Neely, A. and Hil, J. (1998). Innovation and business performance: a literature review. Government Office of the Eastern Region. Cambridge: University of Cambridge.

Pesquisa de Inovação Tecnológica. (2005). Pesquisa industrial de inovação tecnológica. Rio de Janeiro: IBGE.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2006). Critérios de classificação de empresas – ME – EPP. Recuperado em 20 setembro, 2009, de http://www.sebrae-sc.com.br/leis/default.asp?vcdtexto=4154.

Schumpeter, J. A. (1939). Business cycles. New York: McGraw-Hill.

Schumpeter, J. A. (1975). Creative destruction. From capitalism, socialism and democracy. New York: Harper. [orig. pub. 1942].

Silva, E. G. (2004). Mudança estrutural e crescimento económico. Uma questão esquecida? Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, XV, 123-140.

Wind, J. Y. e Main, J. (2002). Provocar mudanças: como as melhores empresas estão se preparando para o século XXI. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional