Gestão do Conhecimento e Complexidade

Ivan Rocha Neto

Resumo


Este ensaio tem por objetivo propor uma revisão crítica sobre Estado da Arte da teoria e prática de Gestão do Conhecimento (GC) sob o ponto de vista do pensamento complexo. Com estes propósitos foram feitas buscas em várias bases de informação, restringindo as ocorrências aos últimos cinco anos (2007-2011), com as palavras chaves exatas, apenas nos títulos das publicações segundo o aplicativo Program Files \Harzing's Publish or Perish 3. Esta proposta tem origem nas discussões atuais a respeito das possibilidades e limitações teóricas, práticas e de pesquisa sobre a Gestão do Conhecimento, que têm normalmente sido olhadas segundo a ótica positivista e cartesiana de alguns autores contemporâneos, mas que pode ser estudada do ponto de vista da teoria da complexidade, sendo um campo de investigação deveras promissor.

DOI:10.5585/gep.v3i1.41


Palavras-chave


Gestão do Conhecimento; Estado da Arte: Revisão e Crítica; Complexidade

Texto completo:

PDF

Referências


Ackoff, R. L., "From Data to Wisdom", Journal of Applied Systems Analysis, Volume 16, 1989 p 3-9.

Agostinho, M.C.E. Administração complexa:revendo as bases científicas da administração. In RAE eletrônica, v.2, n.1, jan/jun,2003. Disponível em www.rae.com.br/eletronica/index acessado em 15/03/2007.

Almeida, Elaine. Transformação Criatividade e Inovação. BI Internacional. 2010 (acesso em 2011)

Batista, F. Governo que aprende - Gestão do Conhecimento em Organizações do Executivo Federal.. Texto para discussão n. 1022. Brasilia: IPEA, 2004.

Batista, F.; Quandt, C. O.; Pacheco, F. F; Terra, J. C. C. Gestão do Conhecimento na Administração Pública. Texto para discussão n. 1095. Brasilia: IPEA, 2005.

Bond, P.; Otterson, P. Creativity enhancement software: a systemic approach. International Journal of Technology Management, v. 15, n. 1-2, p. 173-191, Mar./Apr. 1998.

Bourdieu, Pierre. O Campo Científico. In :Ortiz, R (org). Grandes Cientistas Sociais. Ártica. São Paulo, 1983. P 122-55

Catells, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

Chesbrough, Henry Open Innovation : The New Imperative for Creating and Profiting from Technology.

(HBS Press, 2003).

Choo, C. The knowing organization: how organizations use information to construct meaning, create knowledge, and make decisions. New York: Oxford University Press, 1996.

Costa R. On a new concept of community: social networks, personal communities and collective intelligence. Interface [On line]. 2006, vol.9, nº.17, pp.235-248.

Davenport, Thomas H; Prusak, Laurence. Conhecimento Empresarial. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1999.

Diaz-Gramados Cristina. Transferencia de resultados de investigación en políticas, sistemas y servicios de salud a tomadores de decisión en una Organización de Salud Pública / Transfer of research results in policies, systems and services to decision makers in an Organization for Public Health Rio de Janeiro; s.n; maio 2008. 144 p.

Druckers, Peter. Landmarks of Tomorrow. Open Library. 1959

Durante, D. G; Maurer, S. A. S. Gestão do conhecimento e da informação: revisão da produção científica do período 2000-2005. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração, 2007, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

Fresneda. Paulo Sergio & Gonçalves. Sonia Goulart. Diretrizes orientadoras para a implantação da Gestão do Conhecimento na Administração Pública Federal. Comitê Técnico de Gestão do Conhecimento e Informação Estratégica Comitê Executivo do Governo Eletrônico Governo Federal do Brasil. (2007)

Garcia, Manuela. O Campo das Produções Simbólicas e o Campo Científico em Bourdieu. Caderno de Pesquisa.n 97 p 64- 72. São Paulo. 1996.

Gomes, Cláudia. O Plano Tecnológico e a Sociedade do Conhecimento. Universidade de Coimbra. Junho de 2005.

Krogh, G., Ichijo, K. , Nonaka, I; Facilitando a Criação de Conhecimento, Editora Campus, São Paulo, 2001

Kropf,,Simone Lima,Nísia.. Os valores e a prática institucional da ciência: as concepções de Robert Merton e Thomas Kuhn SciELO Brasil - Scientific Electronic Library Online.

Lévy, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 1993.

Marshall, L. Facilitating knowledge management and knowledge sharing: new opportunities for information professionals. On Line, v. 21, n. 5, p. 92-98, Sept/Oct. 1997.

Marins, L. C. Gestão do conhecimento em projetos de tecnologia da informação com equipes distribuídas geograficamente: um estudo de caso. Anais do III Simpósio De Excelência Em Gestão E Tecnologia - III SEGET, Resende, 2006.

Marioti, Humberto. Pensamento complexo: suas aplicações à liderança, à aprendizagem e ao desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atlas, 2007.

Maturana, Humberto R.; Varela, Francisco J. A árvore do conhecimento. Campinas: Psy,1987

Mcelroy, M., The New Knowledge Management: Complexity, Learning and Sustainable Innovation, Butterworth Heinemann, Burlington-MA, USA, 2003

Merton R.K.: The Sociology of Science, Univ. of Chicago Press, 1973. [Bibl. IFCH]

Morin, Edgar. Ciência com consciência. Trad. Maria D. Alexandre e Maria. Alice Sampaio Dória. 7. ed. rev. mod. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

Nascimento Souto, Patrícia. Knowledge Management: uncovering risky gaps underlying and moving to another perspective. Ciência da Informação, V. 36, n. 2 (2007)

Nonaka, I. & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus.

Popper, Karl, La Logica de la Investigación Científica, Trad. de V. Sanchez de Zavala, Madrid, Tecnos, 1973.

Porter, M. On Competition. Boston: Harvard Business School Press, 1998.

Recuero, Raquel. Comunidades Virtuais em Redes Sociais na Internet: Uma proposta de estudo. In: VIII Seminário Internacional de Comunicação, 2005, Porto Alegre. Anais do VIII Seminário Internacional de Comunicação, 2005. http://pontomidia.com.br/raquel/seminario2005.pdf. Acesso 2011.

Robbins, Stephen. O comportamento organizacional. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1999.

Rouanet, Sérgio Paulo. Mal-estar na modernidade. Companhia das Letras. 2000

Santos. Manuela e Mourujão Alexandre; Kant, I. Crítica da razão pura. 4ª ed. Prefácio à tradução portuguesa, introdução e notas: Alexandre Fradique Mourujão. Tradução: Manuela Pinto dos Santose Alexandre Fradique Mourujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997, p. 30.

Silva. Sergio. Gestão do conhecimento: uma revisão crítica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Ci. Inf. vol.33 no.2 Brasília. 2004

Skirme, D e Amidon, D. Criando o negócio baseados no conhecimento Lições de um Estudo internacional

de melhores práticas. Revista Business Intelligence (1997)

Smith, M. (2002) “Business Process Intelligence – BI and Business Process Management Technologies are Converging to Create Value Beyond the Sum of their Parts”, Intelligent Enterprise, Dec. 5, 2002, pp. 26.

Snowden, Dave HSM Management. 2003

Stacey, Ralph D. Griffin, Douglas and Shaw, Patricia. Complexity and management: fad or radical challenge to system thinking? London: Routledge, 2000.

Sveiby, Karl E. (1998). A nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro: Campus

Telles, Maria. Teixeira Francisco. Aspectos de Dominação e Emancipação na Gestão do Conhecimento Organizacional: o Papel da Tecnologia da Informação. Textos para Discussão. Publish or Perish. Acesso em 2011.

Wenger, E., Mcdermott, R. & Snyder, W.. Cultivating Communities of Practice. Boston: Harvard Business School Press. (2002)

Wiig. Karl. Countdown to KM In: KM Europe Conference. 2002 (Google, acesso em 2011)

Wilson, T.D. The nonsense of 'knowledge management' Information Research, Vol. 8 No. 1, October 2002




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional