Análise da Implementação de um Programa Vivencial em Gestão de Projetos em Cursos Universitários

Eduardo de Lima Pinto Carreiro, Murilo Alvarenga Oliveira

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar a implementação de um Programa Vivencial em Gestão de Projetos (PVGP) para a formação prática na graduação e especialização em Administração. A pesquisa baseia-se nas teorias da aprendizagem vivencial, gestão de projetos e jogos de empresas, que subsidiaram a estrutura de análise a partir da indicação de fatores analíticos essenciais. Utilizou-se o estudo de caso como estratégia de pesquisa e, para compreender as opiniões sobre a vivência e empregou-se a observação participante para compreender as opiniões sobre a vivência. O estudo ocorreu em três disciplinas de Gestão de Projetos do 6º período da graduação em Administração, abrangendo 71 alunos, e em uma turma do curso de especialização em Logística Empresarial, com 25 participantes. Em suas fases, estão descritas a elaboração do programa educacional com os ajustes do simulador Project Management Simulation (PMS-SIM), os materiais didáticos e a aplicação do programa em formatos de curta e longa duração. As análises das opiniões dos participantes indicaram a contribuição do programa para a prática da gestão, trazendo benefícios para a área de educação gerencial, como a proposta de um recurso tecnológico, simulador organizacional PMS-SIM e o PVGP como alternativa aos modelos convencionais de educação, que permitem a prática dos conceitos e o desenvolvimento de habilidades.


Palavras-chave


Gestão de Projetos. Aprendizagem Vivencial. Jogo de Empresas. Simuladores.

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, L.W. & Krathwohl, D.R. (2001). A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revision of bloom's taxonomy of educational objectives. New York: Longman.

Bell, A. (2016). The development of a conceptual framework for simulations in project management education. Coventry University.

Bell, R., & Loon, M. (2015). The impact of critical thinking disposition on learning using business simulations. International Journal of Management Education, 13(3), 362–370.

Ben-Zvi, T. (2010). The efficacy of business simulation games in creating Decision Support Systems: An experimental investigation. Decision Support Systems, 49(1), 61–69.

Berggren, C., & Söderlund, J. (2008). Rethinking project management education: Social twists and knowledge co-production. International Journal of Project Management, 26(3), 286–296.

Bočková, K. H., Sláviková, G., & Gabrhel, J. (2015). Game theory as a tool of project management. Procedia - Social and Behavioral Sciences, 213(1), 709–715.

Bouzada, M. A. C. (2016). Um jogo de logística pode ajudar na assimilação dos conceitos da disciplina? Usando o laboratório de logística para ajudar a responder. Revista Científica da AJES, 5, 1-17.

Carreiro, E. de L. P. (2016). Programa vivencial em gestão de projetos (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Fluminense, Volta Redonda, Rio de Janeiro, Brasil.

Carreiro, E. de L. P., & Oliveira, M. A. (2015). Jogo de empresas em gestão de projetos: Aplicação em uma multinacional automobilística. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 9(4), 69–82.

Closs, L. Q., & Antonello, C. S. (2010). Aprendizagem transformadora: a reflexão crítica na formação gerencial. Cadernos EBAPE.BR, 8(1), 20–37.

Córdoba, J.-R., & Piki, A. (2012). Facilitating project management education through groups as systems. International Journal of Project Management, 30(1), 83–93.

Crookall, D. (2010). Serious games, debriefing, and simulation/gaming as a discipline. Simulation & Gaming, 41(6), 898–920.

Dias, J. A. da S., Oliveira, M. A., & Teixeira, R. L. G. (2018). Modelo de avaliação de um programa vivencial em gestão de projetos. EnEPQ 2018, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, 2018.

Edmonds, J. (2010). How training in project management can help businesses to get back on track. Industrial and Commercial Training, 42(6), 314–318.

Geithner, S., & Menzel, D. (2016). Effectiveness of learning through experience and reflection in a project management simulation. Simulation & Gaming, 47(2), 228–256.

Hood, D. J., & Hood, C. S. (2006). Teaching software project management using simulations. ACM SIGCSE Bulletin, 38(3), 289.

Kolb, D. A. (1984). Experiential learning: experience as the source of learning and development. Prentice Hall, Englewood Cliffs.

Keys, B., & Wolfe, J. (1990). The Role of Management Games and Simulations in Education and Research. Journal of Management, 16(2), 307–336.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos (4a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Kriz, W. C., & Hense, J. U. (2006). Theory-oriented evaluation for the design of and research in gaming and simulation. Simulation & Gaming, 37(2), 268–283.

Lainema, T., & Nurmi, S. (2006). Applying an authentic, dynamic learning environment in real world business. Computers and Education, 47(1), 94–115.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2007). Técnicas de pesquisa (7a ed.). São Paulo: Atlas.

Martin, A. A. (2000). Simulation engine for custom project management education. International Journal of Project Management, 18(3), 201-213.

Moraes, L. V. dos S. de, Silva, M. A. da, & Cunha, C. J. C. A. (2004). Aprendizagem Gerencial: Teoria e Prática. RAE Eletrônica, 3(1), 1–21.

Ojiako, U., Ashleigh, M., Chipulu, M., & Maguire, S. (2011). Learning and teaching challenges in project management. International Journal of Project Management, 29(3), 268–278.

Oliveira, M. A. (2009). Implantando o laboratório de gestão: um programa integrado de educação gerencial e pesquisa em administração. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

Oliveira, M. A., & Sauaia, A. C. A. (2011). Impressão docente para aprendizagem vivencial: Um estudo dos benefícios dos jogos de empresas. Administração: ensino e pesquisa, 12(3), 355–391.

Oliveira, M. A., & Teodoro, P. (2013). Manual do Simulador de Gestão de Projetos (PMS-SIM). Fundação Biblioteca Nacional, N. de Registro 602.412.

Pasin, F., & Giroux, H. (2011). The impact of a simulation game on operations management education. Computers and Education, 57(1), 1240–1254.

Patah, L. A.; Carvalho, M. M.; Biazzin, C. ; Ferreira, F. C.; Vasconcellos, L. H. R. (2016). Construindo pontes entre ensino e a prática da gestão de projetos. MundoPM (Curitiba), 12, p. 75-83.

Peters, V. a. M., & Vissers, G. a. N. (2004). A Simple Classification Model for Debriefing Simulation Games. Simulation & Gaming, 35(1), 70–84.

Pfahl, D., Laitenberger, O., Ruhe, G., Dorsch, J., & Krivobokova, T. (2004). Evaluating the learning effectiveness of using simulations in software project management education: Results from a twice replicated experiment. Information and Software Technology, 46(2), 127–147.

Project Management Institute (PMI®) (2013). A guide to the project management body of knowlegde (PMBOK™) (5a ed.). Pennsylvania: Campus Boulevard.

Ramazani, J., & Jergeas, G. (2015). Project managers and the journey from good to great: The bene fi ts of investment in project management training and education. International Journal of Project Management, 33(1), 41–52.

Ruhi, U. (2016). An experiential learning pedagogical framework for enterprise systems education in business schools. The International Journal of Management Education, 14(2), 198–211.

Sauaia, A. C. A. (2006). Cases and business games: The perfect match! Developments in Business Simulation and Experiential Learning, 33, 204-212.

Sauaia, A. C. A. (2015). Laboratório de gestão: simulador organizacional, jogos de empresas e pesquisa aplicada (3a ed.). São Paulo: Manole.

Sauaia, A. C. A., & Oliveira, M. A. (2011). Decomposição do desempenho organizacional em um jogo de empresas. Estratégia & Negócios, 4(1), 158–182.

Schimitz, L. C., Alperstedt, G. D., & Moraes, M. C. B. (2008). Gerenciando projetos: uma experiência de aprender fazendo. Cadernos EBAPE.BR, Número Esp(Ago), 1–10.

Schmitz, L. C., Alperstedt, G. D., Bellen, H. M. Van, & Schmitz, J. L. (2012). O processo de ensino aprendizagem em gerenciamento de projetos e a inserção social: a experiência da casa de cáritas. Administração: Ensino E Pesquisa, 13(2), 355–385.

Schmitz, L. C., Alperstedt, G. D., Van Bellen, H. M., & Schmitz, J. L. (2015). limitações e dificuldades na utilização da abordagem experiencial no ensino de gerenciamento de projetos em um curso de graduação em administração. Administração: Ensino E Pesquisa, 16(3), 537.

Schön, D. A. (2000). Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed.

Silva, L. B. Da, & Silva, A. B. Da. (2011). A reflexão como mediadora da aprendizagem gerencial em organizações não governamentais. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 12(2), 55–89.

Silva, S. S. (2015). Laboratório de gestão online: análise da contribuição da aprendizagem vivencial (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Fluminense, Volta Redonda, Rio de Janeiro, Brasil.

Thomas, J., & Mengel, T. (2008). Preparing project managers to deal with complexity - Advanced project management education. International Journal of Project Management, 26(3), 304–315.

Vergara, W. R. H., Barbosa, F. A., Lima, A. V., Yamanari, J. S., & Pache, R. de A. (2016). Jogos de Empresas: Uma proposta para capacitar alunos de Engenharia. Revista Gestão da Produção Operações E Sistemas, 11(1), 179–196.

Villardi, B. Q., & Vergara, S. C. (2011). Implicações da aprendizagem experiencial e da reflexão pública sobre o campo, para o ensino de pesquisa científica e a formação de mestres em administração. RAC, 15(5), 1–17.

Zwikael, O., & Gonen, A. (2007). Project execution game (PEG): training towards managing unexpected events. Journal of European Industrial Training, 31(6), 495–512.

Zwikael, O., Shtub, A., & Chih, Y. (2009). Simulation-Based Training for Project Management Education : Mind the Gap , As One Size Does Not Fit All. Journal of Management in Engineering, 31(2008), 1–11.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional