Sustentabilidade em Grandes Usinas Hidrelétricas

Roberto Censi Faria, Cláudia Terezinha Kniess, Emerson Antonio Maccari

Resumo


Nenhuma atividade empresarial nos dias atuais pode ser implementada sem que se levem em conta os aspectos de sustentabilidade. Esse conceito que nasceu do desenvolvimento sustentável dos anos 1970 e 1980 e que ficou consagrado no conceito dos três pilares de Jonh Elkington – econômico, social e ambiental, a “triple bottom line”, é um condicionante para todos os tipos de empreendimentos, especialmente para as grandes usinas hidrelétricas. As grandes usinas hidrelétricas foram por um tempo os grandes vilões do desenvolvimento, por causa da ênfase exagerada dada aos impactos que causam nas pessoas e no meio ambiente. Essa pecha que acometeu as usinas hidrelétricas, causada em grande parte por causa de alguns empreendimentos mal planejados, precisa ser revertida. Por outro lado, usinas hidrelétricas são formas de energia limpa e renovável, com mínima agressão ao meio ambiente, e menor dano às populações afetadas, se bem planejadas. Torna-se importante analisar os aspectos de sustentabilidade associados a esses empreendimentos. Existem arcabouços dedicados a fazer a análise dos aspectos de sustentabilidade de aproveitamentos hidrelétricos. Nesse trabalho é feita uma comparação entre duas ferramentas para avaliação de sustentabilidade em hidrelétricas, analisando prós e contras, facilidades e dificuldades relativas à aplicação destas.

DOI:10.5585/gep.v3i1.81


Palavras-chave


Sustentabilidade; Avaliação; Usinas Hidrelétricas.

Texto completo:

PDF

Referências


ANEEL – Agencia Nacional de Energia Elétrica. Atlas Energético- Carvão Mineral, 2010. Disponível em Acesso em 01/06/2010.

Barbieri, J.C., Simantob, M.A. Organizações Inovadoras Sustentáveis. Uma reflexão sobre o futuro das organizações. 1.a edição. São Paulo: Atlas, 2007. 112 p.

Barbieri, J. C.; Vansconcelos, I. F; Andreassi, T., Vansconcelos, F. C. Inovação sustentabilidade: novos modelos e proposições. REA v. 50 , n. 2, abr./jun. 2010, 146-154.

Bermann, C. Energia no Brasil: Para quê? Para quem? Crise e alternativas para um país sustentável. 2.a edição. São Paulo, SP: Livraria da Física, 2002. 140 p.

Bhamra, t; Lofthouse, v. Design For Sustainability : A Practical Approach. Gower. 1997.

Bortoleto, E.M. A implantação de grandes hidrelétricas: desenvolvimento, discurso e impactos. Revista Geografares. Vitória, Espírito Santo, n. 2, jun. 2001.

Brasil – Ministerio das Minas E Energia. Resenha Energética 2009 – Preliminar. Oferta Interna de Energia Eletrica, Mar. 2010. Disponível em Acesso em 01/06/2010.

Claro, P. B.; Claro, D. P.; Amancio, R; L. Amâncio. Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizações. R.Adm. São Paulo, v.43, n.4, p.289-300, out./nov./dez. 2008.

Elkington, J. Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. New Society, 1998.Publishers

Eisenhardt, K. Building Theories from Case Study Research. Academy of Management Review. v. 14, n. 4, p. 532-550, 1989.

International Hydropower Association – IHA. Introduction. Disponível em . Acesso em 02/07/2010.

International Hydropower Association – IHA. Minuta do Protocolo de Avaliação de Sustentabilidade de Hidrelétricas. Seção I – Avaliações Estratégicas. Ago. 2009 . 37p.

Itaipu Binacional. 10 Motivos para promover a hidreletricidade. Disponível em < http:// www.itaipu.gov.br/index.php?q=node/318&foto=geracao_10_motivos.jpg > Acesso em 01/06/2010.

Leite, A.P, Falcão, D.M., Borges, C.L.T. Modelagem de usinas eólicas para estudos de confiabilidade. Revista Controle & Automação, vol.17, n.2, 2006.

Miles, M.B, And Huberman, A.M. Qualitative Data Analysis, 2nd Ed., p. 10-12. Newbury Park, CA: Sage, 1994.

Maccari, E. A. ; Alessio, M, E. ; Rodrigues, L. C. ; Quonian, L. M. . Sistema de avaliação da Pós-Graduação da CAPES: Pesquisa-Ação em um Programa de Pós-Graduação em Administração. RBPG. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 5, p. 171-205, 2008.

Moreira, C. Petrobrás acha óleo leve em Sergipe. Portal Exame, mar. 2010. Disponível em < http: // portalexame.com.br/negócios/noticias/Petrobras-acha-oleo-leve-sergipe-540755. html > Acesso em 01/06/2010.

Nattrass, B. AND Altomore, M. The Natural Step for Business. Canada: New Society Publishers, 2001.

Sternberg, R. Hydropower: Dimensions of social and environmental coexistence. Renewable & Sustainable Energy Reviews. Elsevier Ltd., 2007.

UNEP – United Nations Environment Programmes. Dams and development project. The World Commission on Dams. Disponível em . Acesso em 2/7/2010.

WCED (World Commission on Environment and Development) (1987), Our Common Future, Oxford: Oxford University Press.

World Commission on Dams – WCD. From dialogue to global process, 2000. Disponível em




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/10.5585

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Gestão e Projetos e-ISSN: 2236-0972
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional